Leituras do mês | Dezembro 2017

Apesar de dezembro ser o mês do Natal, minhas leituras nesse período não foram nada natalinas (com exceção da narrativa selecionada para o Projeto Leia + Contos, que adorei!). Acho que isso se deve ao fato de que não sou, como a maioria das pessoas, tomada pelo espírito da festividade. Então, vejamos o que foi lido 🙂


“A Guerra do Tronos” e “A Fúria dos Reis”, de George R. R. Martin

Sim, dei início à tão famosa saga que originou a série de TV Game of Thrones. Devo admitir que somente me interessei em lê-la por estar disponível na biblioteca de minha escola – caso contrário, não me arriscaria a adquirir os volumes. Bem, e qual foi meu veredito após os dois primeiro livros? A princípio, não acreditei que fosse me envolver tanto com a história, mas (felizmente) eu estava enganada. Apesar de alguns trechos mais cansativos, o que já era de se esperar num calhamaço de mais de 500 páginas, George R. R. Martin conseguiu me entreter e me fazer adentrar nesse universo. Enfim, enquanto lia, pude realmente me afastar por alguns momentos da vida real!

PS.: Comentei tanto sobre essa história que fui presenteada com uma camiseta da série ❤

“Long Day’s Journey into Night”, de Eugene O’Neill

IMG_20171223_102015696_HDR

Essa obra foi simplesmente uma surpresa maravilhosa! A peça, escrita pelo vencedor do Nobel de Literatura de 1936, acompanha a vida da família Tyrone no decorrer de um dia. Inicialmente, nos deparamos com uma dinâmica familiar até um tanto corriqueira. Porém, ao longo do texto, somos levados numa verdadeira jornada a partir de um aumento gradativo de tensão, até o ápice da história. Trata-se de uma verdadeira obra-prima no retrato dos recantos mais obscuros da mente humana.

“As Três irmãs”, de Anton Tchekhov

Li ainda outra incrível peça no mês de dezembro: “As Três Irmãs”, do escritor russo Anton Tchekov. Assim como “Long Day’s Journey into Night”, a história é composta essencialmente por diálogos, a partir dos quais somos capazes de entrever alguns dos medos e inquietações dos personagens, em especial das irmãs Olga, Macha e Irina. O mérito dessa história encontra-se principalmente em sua capacidade de gerar-nos empatia, identificação. Além disso, em diversas passagens, o autor destaca a importância do trabalho, o que me recordou bastante a mensagem de “Cândido, ou O Otimismo”, de Voltaire, cuja mais famosa frase – “[…] devemos cultivar nosso jardim” – ilustra bem esse preceito. E quanto ao desfecho, posso apenas dizer que é emocionante!

“Terra Sonâmbula”, de Mia Couto

img_20171226_155440834_hdr~2-1061787423..jpg

Publicado em 1992, “Terra Sonâmbula” acompanha dois núcleos de personagens: o velho Tuahir e o “miúdo” Muidinga, que fogem da destruição da Guerra Civil Moçambicana; e o jovem Kindzu, cuja história é encontrada pela dupla numa série de cadernos abandonados. Devo dizer que a escrita do autor é extremamente poética e sensível. Sem dúvidas, alguns dos aspectos que mais se destacaram na obra foram o realismo mágico e a presença de diversos neologismos (pequeninar, desandarilho, bambolento…). Inicialmente, confesso que não me envolvi tanto com a história: essa foi me conquistando aos pouquinhos, até o desfecho, com o qual é impossível não se emocionar.

Esse foi meu primeiro contato com Mia Couto e, como várias de sua obras estão disponíveis na biblioteca de minha escola, é muito provável que o escritor apareça ainda muitas vezes por aqui… 🙂

“Nariz de Vidro”, de Mário Quintana

IMG_20171212_055254339_HDR.jpg

Encontrei esse livro também na biblioteca da escola e, como já havia lido e amado algumas produções do Mário Quintana, decidi dar uma chance. Infelizmente, os poemas presentes em “Nariz de Vidro” não me agradaram tanto como outros textos do autor. De qualquer modo, foi uma leitura válida.

“Assassinato no Expresso Oriente”, de Agatha Christie

img_20171230_104245406_hdr.jpg

Por último, mas de forma alguma menos importante, realizai a releitura de um dos meus livros favoritos da vida: “Assassinato no Expresso Oriente”. Tive o meu primeiro contato com a autora a partir dessa obra, o que torna esta ainda mais especial para mim. Acredito que, com o lançamento do novo filme, muitos já conhecem o enredo: o famoso detetive Hercule Poirot tem de descobrir, em meio aos passageiros de um trem, o responsável por um assassinato ocorrido durante a viagem. Após essa segunda leitura, minha opinião em relação à história não mudou: acho-a simplesmente incrível, em especial a forma como o desfecho ocorre. ❤

 

4 comentários sobre “Leituras do mês | Dezembro 2017

  1. Acho que você encerrou o ano muito bem! Nesse mês de dezembro, embora eu não tenha lido muitos dos livros que eu queria por conta do vestibular, também me aventurei pelas histórias policiais da Agatha Christie. Li “O Caso dos Dez Negrinhos” (ou, nas novas edições, “E Não Sobrou Nenhum”). Das obras que li dela, essa foi, de longe, a melhor. Também gostei muito do “Assassinato no Expresso do Oriente”, mas a genialidade da autora nesse outro livro que mencionei foi demais! Fica a dica, caso não tenha lido ainda.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Dos livros da série “As Crônicas de Gelo e Fogo”, eu só li o primeiro e não tenho interesse nos demais, mesmo achando a escrita do Martin muito boa. Agora quem leu todos por aqui foi meu marido. Adorei o “PS.: Comentei tanto sobre essa história que fui presenteada com uma camiseta da série”, hahahaha. Qual ilustração está na sua camisa? Beijos, Maria Luiza!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s